Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO

ANDORRA - PIRENÉUS - ESPANHA


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
O Principado de Andorra é uma zona franca localizada nos Pirenéus entre Espanha e França, um pouco à semelhança com Gibraltar, com a diferença que este território é administrado somente pelos Britânicos. Uma zona franca está isenta de imposto, no caso a ausência do IVA que é substancial no preço final. Em Andorra, apenas sentimos uma diferença considerável no tabaco, e nas bebidas espirituosas, já que são produtos que em Portugal tem uma carga fiscal bastante agravada e raramente fazem promoções, e quando as fazem mesmo assim ficam muito aquém. 

No restante dos produtos, tais como eletrónica etc. os preços estão inflacionados, pelo que nem com ausência do imposto consegue fazer concorrência ao que compramos em Portugal, aproveitando as promoções em que não paga IVA, ou com descontos até 50% que por vezes se fazem cá. Quanto ao estacionamento das autocaravanas, em Andorra-a-Velha que é o centro de negócios, existe um grande parque de estacionamento no centro da cidade com 18 lugares exclusivos para autocaravanas, que são pagos. Pagamos por 1 dia e 1 noite, mais uma tarde, cerca de 12€. Consegue-se descontos no aparcamento em compras em alguns estabelecimentos comerciais que dão uns tickets para descontar na hora de pagar.

              HISTÓRIA:
ANDORRA NA PRÉ-HISTÓRIA:
Há restos que foram encontrados, demonstrando a existência de uma população durante o Paleolítico.
Mas se não é evidência de que a área foi habitada no período neolítico (3500 aC - 2000 aC) existiram pequenos grupos de pessoas que viveram perto do rio Valira, especialmente na paróquia de Sant Julia de Loria. Outros pequenos grupos viviam em cavernas no topo de Pal, no Roque de Llunsí em La Massana e Arinsal. Em 1959 foi descoberto o esqueleto mais antigo encontrado em Andorra. 

Era uma pessoa que viveu há cerca de 4000 anos, foi localizado no "Balma de la Margineda", onde pontas de seta, também foram encontrados objetos de osso, grânulos, fragmentos de cerâmica, etc.
Pouco a pouco, com a instalação de aldeias ao pé da Serra de Enclar, em Robleda de Cedre e outros pontos ir para o Bronze, também progredindo na megalítico, como evidenciado por um dólmen em Encamp, esculturas em pedra, como a Rocha de Les Bruixes, Prats, Ordino e La Massana. Neste período também foi encontrado moedas ibéricas em Sant Julia de Loria.

Sabe-se que os antigos iberos, celtas, cartagineses e romanos que ocupavam a costa do Mediterrâneo usado como abrigo nas batalhas em Andorra. Restos de moedas e pinturas mostram a presença destes povos. Quanto à linguagem, isto, nos vales, era originalmente e, provavelmente, um tipo basco-ibérico como parte evidenciado de nomes de lugares de Andorra, com melodias bascas.
A partir da fundação do país em 714 pelo menos nessa época os visigodos, invasores atuais de Andorra, seriam eliminada por outros invasores, os muçulmanos em 788.

Os dados mais abrangentes sugerem que o território de Andorra foi estabelecida por Carlos Magno, que segundo a tradição, lutou contra o exército árabe no vale de Querol. Inicialmente os árabes ganharam, mas um grupo de andorranos, às ordens de Marc Almugàver e dos vales do rio Valira, Highlanders foram apresentados na Pimorent e Campcardós para ajudar os exércitos de Carlos Magno para lutar contra os árabes, favorecendo a vitória sobre os muçulmanos.

O Imperador, grato, deu sua proteção a Andorra, e declarou povo soberano em (788). O Imperador doou os dízimos e outros direitos aos bispos de Urgel. Andorra, como Urgel e Cerdagne, tornam-se dependentes de Soberania carolíngia. Em 823-877 durante o reinado de Carlos, o Calvo, o Império Carolíngio foi desmembrado e o rei deu Andorra a Sunifred de Urgel e Cerdagne. Em 839 é o momento de reconstruir as regiões dos Pirinéus. O primeiro documento inquestionável sobre a história de Andorra é o ato de consagração e de alocação da Catedral de Seo de Urgel, onde o vale de Andorra e a divisão paroquial é citado pela primeira vez como dependentes dessa diocese, enquanto relação religiosa com Seo de Urgel é confirmada.

Ao longo deste século e no próximo, por meio de compras ou trocas, os sucessores dos condes de Urgel expandem as suas propriedades em Andorra. Em 1133 o Conde Ermengol dá ao bispo Pere Berenguer e Catedral de Urgel, todos os direitos que tenham ou possam ter nos Vales de Andorra ", em perpetuidade e sem qualquer reserva , " e as pessoas dos Vales é ordenado jurar fidelidade ao bispo e seus sucessores e pontualmente observar seus deveres de bons vassalos. O domínio territorial dos bispos de Urgel é então transformado em um senhorio episcopal, mas os conflitos surgem em breve.


Em 1162 o bispo Bernat SANC teve de assinar um acordo sobre a nomeação de troca Batlles para um compromisso de um tributo anual. A situação instável sofridas pela França e Espanha durante a Idade Média, com lutas internas entre os pequenos reinos e as constantes invasões árabe, forçou o Conde de Urgel a procurar ajuda, e para acordar uma aliança com os condes de Caboet para proteger as paróquias de Andorra. Época de conquistas e invasões
A mudança da vida política do século XVI também afetou Andorra.

Várias vezes foi invadida por vários reis. Os Reis Católicos anexa à coroa, depois da batalha contra o Duques de Foix e durante o reinado de Carlos V, Andorra foi devolvido à Casa de Foix.
Em 1589, Henry III, rei de Navarra e conde de Foix, tornou-se rei da França, com o nome de Enrique IV. Em 1789 a eclosão da Revolução Francesa deixa Andorra entre duas potências, a França e a Espanha, continuamente enfrentados.
Esta restauração definitiva da coseñorío marca o início de uma nova era na história da Andorra. Pode-se dizer que os Vales de Andorra está aberto para o mundo.

ANDORRA NO SÉC. XX:
Instituições mantiveram seu espírito e são curiosamente respeitados, tais como Justiça Civil, administrado pela "Batlles" juiz de apelação e tribunais superiores; Criminal, pelo "Tribunal para de Corts"; e Administrativas - causas de vizinho para vizinho - o "Tribunal de supervisão". Em 1914 a primeira estrada que comunicava Andorra com Seo de Urgel é construído. Em 1914 a Virgem de Meritxell é declarada Padroeira dos vales de Andorra.
Em 1921, a 8 de setembro, o arcebispo de Tarragona com o Bispo co-principe, coroa a imagem da Virgem de Meritxell. Este dia é proclamado como o Dia Nacional do Principado.


Em 1929 as primeiras instalações eléctricas são criados.
Em 1933 O sistema eleitoral foi reformado em 17 de julho, a data a partir da qual qualquer homem poderia ser eleito mais de 30 anos e tinha o direito de voto a todos os homens com mais de 25 anos.
Em 1935 o "Conselho Geral" compromete-se a conceder uma estação de rádio: "Rádio Andorra". Em 1936-1945 (Guerra Civil Espanhola e II Guerra Mundial) Andorra continua a sua estrita neutralidade e sauda e apoia a chegada contínua de imigrantes e refugiados políticos. Em 1943 a última execução ocorre em terras do Vale de um prisioneiro do corredor da morte.


O padrão de vida do Principado começa a ser um país moderno. A população dobra em doze anos e atinge os 12,199 habitantes em 1964. Ao mesmo tempo começa também o grande desenvolvimento comercial e turismo como um resultado do aumento dos padrões de vida. As primeiras instalações para a prática de desportos de Inverno são desenvolvidos. Esquiar é declarado um desporto nacional. Começam a surgir novas gerações de andorranos formados no estrangeiro.


Em 1970 reforma-se a lei eleitoral para as mulheres obterem o direito de voto. A paróquia de Scald é decretada de Andorra la Vella e torna-se a sétima freguesia do Principado. Em 1982, a 14 de janeiro, é formado o primeiro governo de Andorra presidida pelo Sr. Oscar Ribas. Andorra assinou um acordo com a Comunidade Económica Europeia, o Código Penal é aprovado e os censos populacional aumenta dramaticamente. Em 1993 Andorra vive o seu esplendor, com a aprovação da Constituição e a entrada das suas instituições na Organização das Nações Unidas.


 Actualmente, Andorra estabeleceu-se como um importante centro turístico no sentido comercial e prática de desportos de Inverno e de montanha.
Os co-príncipes ancestrais continuam a representar o Chefe de Estado em Andorra, mas tanto o bispo de Urgel como o Presidente da República Francesa, não governam Andorra mas são representados pelo Principado, isso mantém a sua autonomia. Ambos têm um representante permanente para Andorra.



CENTRO WELLNESS INÚU

Este é um edifício de autoria de Jean-Michel Ruols , o mesmo arquitecto que concebeu CALDEA. Com INÚU e a sua vontade de dar continuidade às formas do edifício do Centro Termolúdico existente, e integrar a nova construção em perfeita sinergia e máxima integração, mas com um toque de modernidade graças à evolucão das técnicas e materiais de construção. Combinando arquitectura e água, Ruols conseguiu dotar este edificio com uma imagem arquitectónica global coerente e harmoniosa.



Fonte: www.andorramania.net
Arranjos: jbmendes

Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

SAN SEBASTIÁN - GUIPÚSCOA - PAÍS BASCO - ESPANHA



Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
A cidade de San Sebastian ou Donóstia em Basco, pertence à província de Guipúscoa, Região Autónoma do País Basco, Reino de Espanha.
Estacionamos nos aparcamentos das Universidades de San Sebastian, já que ali está instalada a área de Serviço, bem como parque de estacionamento e pernoita para autocaravanas, com um custo de 4€ por dia, e com Área de serviço para autocaravanas grátis. 


Como já fizemos referencia, o Ayuntamiento de San Sebastián, juntamente com a Policia Municipal que fiscaliza toda a área,tem o esquema bem montado com um sistema de parquimetro com um item de pagamento específico para autocaravanas. O custo para todo o dia são 4€ com a pernoita grátis, já que o referido parquimetro só cobra das 8H00 até às 20H00. Um bom sistema que paga a A.S.A grátis para todos, e ainda rende aos cofres do ayuntamiento para pagar aos seus fiscais.


             HISTÓRIA:
A cidade de San Sebastian estende-se por uma baía de areia branca entre as colinas Urgull e Igeldo. Desde uma vila de pescadores, até um subúrbio elegante e modernos bairros, fazem desta cidade um dos mais atraentes da costa cantábrica. O Museu de San Telmo, a Peine del Viento ou no Kursaal são exemplos de como a cidade combina na sua tradição de design e modernidade. Enquanto isso, na província de Guipuzcoa, dos quais San Sebastián é a capital, combina o mar com as montanhas, oferecendo ao viajante, desde monumentos interessantes, a paisagens, esportes, gastronomia.

De relembrar que a gastronomia Basca, é de renome internacional.
O traçado urbano de San Sebastian desdobra-se com vista para a Baía de La Concha. O Monte Igeldo marca uma das suas extremidades, um ótimo lugar para apreciar a vista sobre a torre de vigia da cidade. A seus pés está Torrepea Point, onde a escultura "Peine del Viento" pelo famoso artista Basco Eduardo Chillida está instalado. Aqui onde a praia Ondarreta começa, emoldurado por uma área de jardim para o Pico del Loro. 


Este foi o local escolhido pela Rainha Maria Cristina (s. XVIII) para a construção do Palácio Miramar, como sua residência de verão. Um belo passeio marítimo bem iluminado, com grades elegantes, corre ao longo da praia de La Concha , cujo cenário é o Oceano Perla, onde o antigo balneário real está instalado. Se continuar sempre olhando o mar chega à velha City Hall onde está localizado o Casino. 



CATEDRAL DO BON PASTOR:

Nesta área, entre o mar e o rio Urumea, está a cidade velha, do Monte Urgull, da marina, e do bairro de pescadores.

A cimeira de Urgull é dominado por "La Mota Castelo" e uma representação do Sagrado Coração. Um caminho leva-o ao cimo, enquanto outro contorna o monte ao longo do quebra-mar.


       CIDADE VELHA:
Ao passear pela parte mais antiga de San Sebastián aparecem logo à frente as igrejas de San Vicente e Santa Maria del Coro, estilo gótico e do renascimento-barroco. O antigo convento dominicano é hoje o Museu San Telmo , cujas colecções de arqueologia, etnografia e pintura valem a pena a visita já que é uma agradável visita. Estas ruas movimentadas levam-no até ao pórtico da Praça da Constituição. Entre as suas muitas varandas, numeradas e pintadas de branco, surge a Câmara ou Ayuntamiento, em que a sua origem se compara com uma praça de touros. Este velho edifício neoclássico foi convertido numa Biblioteca Municipal.

A Alameda Boulevard dá para a cidade romântica, que surgiu após a demolição das antigas muralhas. Nas margens do Urumea, o teatro Victoria Eugenia e o Hotel Maria Cristina, construído em estilo neoplateresco. Devem também visitar a Praça de Guipúzcoa, com o edifício do Conselho Provincial, o Mitxelena Centro Cultural Koldo e Correios, e também a Catedral de San Sebastian, do Bon Pastor, construído em estilo gótico. San Sebastián é uma cidade cosmopolita, com um forte carácter da cultura Basca em seus eventos culturais. O tamborrada ou Semana Grande , com as tradicionais regatas, os seus prestigiados festivais de cinema e jazz, que dizem muito da sua vocação internacional.

         GUIPÚSCOA:
Uma das melhores maneiras de conhecer a cidade, é aproximando-se da sua cultura, da sua cozinha com prestígio internacional. Eu devo dizer que alguns dos restaurantes mais famosos em Espanha estão em San Sebastian. Receitas feitas com produtos da horta, frutos do mar deve sempre ser acompanhado por Chacolí Guetaria / Guetariako Txakolina Denominação de Origem própria.
A província de Guipúzcoa satisfaz os gostos de qualquer viajante , oferecendo uma longa costa de excelentes praias e vilas de pescadores, enquanto no seu interior encontra inúmeras áreas naturais entre os quais encontramos importantes cidades históricas.

Ao longo da costa de França para Vizcaya têm a oportunidade de visitar o centro histórico de Hondarribia / Hondarribia. Outras cidades que combinam monumentos interessantes com extensas praias são Zarautz, Getaria, Deba e Mutriku.

Por entre Rios e Vales, seguindo o curso do Oria, as cidades históricas de Tolosa, Ordizia e Lazkao preservam importantes legados de monumentos. 



O Vale Urola reservar-nos a cidade velha e spa de Cestona / Zestoa,
as ruas medievais de Azpeitia e do Santuário de San Ignacio de Loyola, um Ensemble Barroco Basco centro religioso. Bergara, uma das cidades mais imponentes de Guipuzcoa, com as casas bonitas de Elgeta que se desdobram ao longo do vale Deba.





Em adição a esta riqueza de monumentos, esta província Basca possui um património natural perfeito para a prática de desportos com muitos baixo impacto ambiental. Os parques naturais de Aitzkorri, Aralar, Aiako-Harria e Pagoeta, também indicam a qualidade dos seus ecossistemas.


Fonte: http://www.spain.info/pt
Arranjos: jbmendes


Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

BILBAO - BISCAIA - ESPANHA



Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Bilbao é uma cidade Espanhola da Provincia de Biscaia, Região Autónoma do País Basco. Tem no seu Ex Libbris o Museu de Guggenheim da autoria de Frank Gehry, um edifício vanguardista desta cidade de Bilbao. 

Conhecida também pela cidade do ferro, foi um elo importante de desenvolvimento na altura da revolução industrial em 1841, que a tornou como a maior região industrial de Espanha ao par de Barcelona. 
Bilbao é atualmente mais dedicada aos serviços, é cosmopolita, continua a sua expansão como uma das grandes cidades do Reino de Espanha.



Para visitar esta cidade não é fácil o aparcamento das autocaravanas, contudo, e com um pouco de experiencia, e com algumas voltas de reconhecimento, arranjamos um belissimo sitio junto a um parque da cidade, a cerca de 1000 m do Centro Comercial, do Estádio do Bilbao, e a 100 m da paragem do autocarro que nos levou a visitar o Casco Velho da cidade. Com o sistema de parquimetros a funcionar na perfeição, pagamos a tarifa diária das 8H00 às 20H00, cerca de 4,00€ com permanencia para a pernoita grátis. E assim visitamos a cidade de Bilbao sem stress.

               HISTÓRIA:
Uma pesquisa de historiadores e arqueólogos concluiram que a população de Bilbao existia nas margens do estuário antes de sua fundação como uma cidade em 1300. Esses assentamentos eram parte do que conhecemos hoje como Bilbao la Vieja (Docas de la Merced e Marzana e Calle San Francisco), bem como na margem direita do rio, onde havia um povoado marinheiro com carácter comercial. Neste ponto, podemos agora visitar a Igreja de San Anton, onde você pode ver restos das muralhas medievais de Bilbao, e a ponte com o mesmo nome, um símbolo dos dois bancos que moldaram a cidade.


Este "Bilbao primitivo" beneficiou da sua localização na parte inferior do estuário Ibaizabal, em uma área plana perto do nível do mar com uma enseada natural para atracar barcos. Além disso, era muito perto das minas de ferro Mirivilla, foi elo de comunicação para regiões próximas a Plateau, um nó dos caminhos do litoral da Cantábria e do Caminho de Santiago. Diego Lopez de Haro fundou a Villa de Bilbao a 15 de junho de 1300. 



Uma década depois, Maria Diaz de Haro, sobrinha de Don Diego e nova Senhora de Vizcaya, concedeu uma nova carta colonial que oferecia mais privilégios comerciais à Villa, dando um passo importante a todo o comércio de Castela em direção ao mar.
Em 1372 Juan I de Castela decreta que as entradas e saídas de mercadorias da Villa ficam isentas de imposto, concentrando-o no transporte de ferro. Dadas estas circunstâncias, historiadores e cronistas concordam que o desenvolvimento económico, social e urbana de Bilbao foi rápida e foi baseada no comércio, o porto, no mercado semanal, e o ferro Mirivilla (Miravilla).

Ao longo dos séculos XV e XVI Bilbao consolidou sua posição comercial, tornando-se o mais importante centro económico de Biscaia. Este crescimento económico foi acompanhado por um aumento acentuado na população. O "Bilbao Primitivo", que surgiu com três ruas: Somera ou Goiencalle (rua acima), Artecalle (rua "no meio" ou maior) e Tendería referentes à atividade e à aliança que desenvolveu. Em meados do século XV, no coração de Casco Viejo, expande a sua parte mais antiga com quatro outras ruas, que dão origem às "Sete Ruas", o nome dado ao centro histórico de Bilbao. 


Na mesma área da Catedral de Santiago foi construído, um templo, substituindo a antiga capela dedicada ao Apóstolo. O templo, de estilo gótico, é um dos mais emblemáticos da cidade.
Estas extensões, que foram vítimas de incêndios e inundações que destruíram a maior parte da casa da torre, e da antiga muralha que rodeava Bilbao na sua Fundação. No entanto, hoje podemos descobrir alguns dos seus restos nas ruas. Hoje, essas ruas perpendiculares são obrigação para quem visita a cidade, para descobrir os encantos desta região.


Outra peculiaridade do "Capacete" são as ravinas. São aberturas estreitas entre as casas. Essas ruas estreitas foram usadas na Idade Média para melhorar a ventilação dos edifícios, para que a saída da água da chuva, escorra através das janelas. 


Na Cidade Velha, há quinze ruas, a maior medindo cerca de um metro de largura, outros não ultrapassam 40 centímetros, e são acessados ​​por portas pequenas que estão nos cantões. Para entrar é necessário pedir a chave à comunidade.


Fonte: www.bilbaoturismo.net
Tradução: Google
Arranjos: jbmendes


Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

PAU - AQUITÂNIA - PIRENÉUS ATLÂNTICOS - FRANÇA



Visita efetuada em Agosto de 2016
NOTA 2016:

Uma segunda passagem por Pau, Pirenéus, França, em direção ao Santuário de Lourdes. Destaques para a Igreja de Saint Jacques, A Igreja de Saint Martin, Torre de la Monnaie, o Château de Pau, ou, Henrique IV, e a Catedral de Notre Damme. A nossa rota pelos Pirenéus (FR, e ES) começa aqui:


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
Visita efetuada em Agosto de 2012
Pau é uma cidade Francesa, pertencente à Região da Aquitânia, Departamento dos Pirenéus Atlânticos.
A cidade de Pau foi a primeira cidade em que paramos para uma ligeira visita, e para desentorpecer as pernas. No alto do socalco vislumbrava-se a Torre de la Monnaie, o Château Henrique IV e a Catedral de Notre Damme.
Pau, Pátria de Henrique IV, é a cidade de todos os recursos, montanhas e estâncias de esqui a 45 minutos, as costas Bascas e dos Landes uma hora de estrada, porta de entrada dos 5 vales Bearneses e as suas estâncias termais (Eaux-Bonnes, Eaux-Chaudes).


O seu panorama único sobre os Pirenéus fará dizer à Lamartine: " Pau é a mais bela vista de terra do mundo como Nápoles é a mais bela vista do mar". Antiga cidade real e capital do Béarn, a cidade recebeu de todos os tempos influências estrangeiras importantes (Ingleses, Espanhóis, Russos, Brasileiros) e permanece ainda hoje muito aberta sobre o exterior.





A descobrir:


- as Igrejas Saint-Jacques e Saint Martin de influências neogóticas
- a igreja de Notre-Dame, de inspiração arte déco, coberta por uma monumental estátua da Virgem à criança
- o Castelo de Pau (Museu nacional do Castelo de Pau) e suas duas torres do século XII
- a torre de la Monnaie, inicialmente torre de espreita defensiva abaixo do castelo.
- o Parlamento de Navarre, à proximidade do castelo
- o palácio de justiça e sua fachada classicamente ornado de colunas elas próprias cobertas de um frontão em mármore branco
- a gare de estilo Eiffel e o funicular asseguram a ligação com o centro histórico
- o Palácio Beaumont, originalmente designado Palais d'Hiver,
- a caserna Bernadotte, que deve seu nome à Bernadotte, oficial inferior francês nascido em Pau e tornado rei da Suécia sob o nome de Charles XIV. A casa natal de Bernadotte, abriga hoje um museu
- o centro Bosquet e o Palácio dos Pyrénées, centros comerciais da cidade com espírito 1800
- "Les Abattoirs ": pole cultural intercomunal (PCI) em Billère: antigos matadouros tornados num centro cultural de arte moderna
- o Museu das Belas-Artes e o Museu da resistência e da deportação, situado no coração do parque Lawrence.

  Nota Interna de Pau:

Aqui, no sopé dos Pirenéus, sempre fomos capazes de construir fortes ligações com a terra circundante. Desde a Idade Média, os tratados garantia a liberdade de movimento e comércio sem fronteiras.
Habitantes de uma terra de paixão, somos guiados por nosso coração, como amante, Pyrene lendária de Hércules, cujo coração bate por toda a eternidade nas montanhas ao qual deu o seu nome. Pau tornou-se ao longo do tempo uma necessidade absoluta ... e a porta dos Pirinéus!

Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes

MORLAÁS - AQUITAINE - PIRENÉUS ATLANTICOS - FRANÇA


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:


VILLE DE MORLAÁS:

Morlaás é uma Vila Francesa pertencente à Região de Aquitaine

Limousin - Poitou - Charentes - Departamento dos Pirenéus

Atlanticos - França.

Local de passagem.


A caminho de Lourdes - a seguir por - Pau - Tarbes, Médios Pirenéus, Andorra, e por fim até aos Altos Pirenéus, que nos encheu as medidas de tanta beleza na zona Espanhola.





Morlaás surge um pouco antes da cidade de Pau, é conhecida como a capital do Bearn, nome do Visconde com o mesmo nome, após a a destruição da Ville de Lescar (também tem uma bonita Catedral) no séc IX. A Igreja de Saint Foy de Morlaás foi fundada em 1080. 

Esta é uma Igreja de estilo Românico.



A estátua original de Saint Foy está no relicário da Abadia de Saint Foy Conques em Aveyron. Este foi um dos Santos mais venerados da Idade Média.


Coordenadas GPS: N 43º 20' 40" W 00º 15' 47".

Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes